Prêmio PIPA 2020

Gê Viana, Maxwell Alexandre, Randolpho Lamonier e Renata Felinto

Com uma trajetória de mais de dez anos no cenário da arte contemporânea, o Prêmio PIPA, uma iniciativa do Instituto PIPA, tem como objetivo divulgar a arte e artistas brasileiros, além de estimular a produção artística nacional. Ao longo de uma década, buscamos apresentar um conjunto que se destaca no meio artístico e que traduz a diversidade e a qualidade da cena cultural no país.

Na décima primeira edição do Prêmio, tivemos o prazer de anunciar, em uma decisão inédita, os quatro finalistas como vencedores do PIPA 2020: Gê Viana, Maxwell Alexandre, Randolpho Lamonier e Renata Felinto. Entre os 66 artistas indicados do ano passado, os quatro foram escolhidos por terem obras contundentes e representativas do que de melhor está sendo feito em um país tão plural como o Brasil. Do dia 09 de setembro a 20 de novembro de 2021, apresentamos no Paço Imperial, no Rio de Janeiro, a Exposição dos Vencedores do PIPA 2020. Ocupam os 280m2 do Terreiro do Paço Imperial um total de 30 obras, sendo os trabalhos de Renata Felinto e Randolpho Lamonier inéditos — produzidos para a exposição. A mostra conta ainda com uma performance de Renata Felinto e uma ocupação do pátio por Maxwell Alexandre. A mostra estava prevista para acontecer em setembro de 2020, mas foi adiada em um ano por conta da pandemia.

A exposição no Paço Imperial é considerada um diferencial na história das exposições do Prêmio, não somente por ocorrer pela primeira vez neste edifício e por se dar um ano após o anúncio dos vencedores, mas porque essencialmente não se trata mais de uma mostra competitiva. A equivalência das áreas dedicadas aos artistas para que fossem observados com isenção e em separado, deixa, no Paço Imperial, de ser o parâmetro dominante. A exposição é ocupada de forma fluida pelos então quatro vencedores, com seus trabalhos posicionados de forma a evidenciar as permeabilidades possíveis, aumentando sua potência como conjunto.

Além de trabalhos dos quatro vencedores de 2020, o Instituto PIPA apresentará os cinco Artistas Selecionados de 2021, Castiel Vitorino, Denilson Baniwa, Ilê Sartuzi, Marcela Bonfim e Ventura Profana, que são os vencedores desta 12a edição do Prêmio PIPA, além de obras comissionadas e adquiridas nos últimos anos pelo Instituto. São obras de artistas contemporâneos brasileiros que fazem parte da história do Prêmio PIPA. O acervo do Instituto pode ser visto no site www.institutopipa.com.

Conheça os Vencedores do PIPA 2020
Gê Viana nasceu em 1986, no Maranhão. Seu trabalho se desenvolve no ato de fotografar corpos que assumem vários recortes com a fotomontagem, retornando um segundo corpo, e gerar lambe-lambes em experimentos de intervenção urbana/rural. Ela se define “na busca por uma expressão artística não-linear, lançando-se sobre a pesquisa do corpo performático e dos corpos abjetos pela cultura colonizadora hegemônica e seus sistemas de arte e comunicação, (corpos marginalizados e invisibilizados)”. A partir de um processo em Santos com Lívia Aquino, pesquisadora do campo das artes visuais, resolveu pesquisar a “imagem precária” e os meios de apropriação das fotos históricas de fotojornalistas, já que na maioria de seus trabalhos vê-se o uso de outras camadas fotográficas.

Maxwell Alexandre nasceu no Rio de Janeiro, em 1990, e formou-se em Design pela PUC-RJ no ano de 2016 tendo participado, em 2009, do Curso de Fotografia para registros das Obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) nas favelas do Rio de Janeiro. A poética urbana do artista passa pela construção de narrativas e cenas estruturadas a partir de suas vivências cotidianas pela cidade e na Rocinha, local onde reside e trabalha. São pinturas em grande formato nas quais os corpos negros são apresentados de forma empoderada, mas também em momentos de confronto com a polícia, retratando uma rotina comunitária radicalmente contemporânea.

Randolpho Lamonier, entre a periferia industrial de sua cidade natal, Contagem (MG), e os grandes centros urbanos, desenvolve sua pesquisa visual a partir de diversas mídias e processos, num acúmulo de signos e gestos que refletem sobre a urgência na construção de identidades individuais e coletivas. Nos cruzamentos entre a vida íntima e os assuntos de ordem pública, se define uma articulação entre micro e macro política, um estado constante de reflexão e insurgência que faz presente no menor dos gestos uma postura crítica sobre o estado de normalidade.

Renata Felinto vive e trabalha, atualmente, em Crato, no Ceará. Felinto é doutora e Mestre em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da UNESP e especialista em Curadoria e Educação em Museus de Arte pelo Museu de Arte Contemporânea da USP. Artista visual e professora adjunta da URCA / CE, na qual compôs o Comitê de Pesquisa Científica, foi coordenadora do Curso de Artes Visuais e do subprojeto PIBID do mesmo curso e coordena o Grupo de Pesquisa NZINGA – Novos Ziriguiduns (Inter)Nacionais Gerados na Arte. A arte produzida por mulheres e homens de ascendência negro-africana tem sido o tema principal de sua pesquisa e o mesmo reverbera de muitas formas em sua produção de artes visuais.

PIPA 2021

Anunciamos também os Artistas Selecionados de 2021: Castiel Vitorino, artista, escritora e psicóloga; Denilson Baniwa, vencedor do PIPA Online 2019, que pesquisa a história da colonização dos territórios indígenas que hoje conhecemos como Brasil; Ilê Sartuzi, que pesquisa linguagens variadas para abordar questões relativas à imagem idealizada do corpo; Marcela Bonfim, “hoje reconhecida como mulher negra e moradora na cidade de Porto Velho, em Rondônia”, segundo ela; e Ventura Profana, que “profetiza multiplicação e abundante vida negra, indígena e travesti”.
Os cinco vencedores do PIPA 2021, escolhidos pelo Conselho do PIPA, vão realizar de setembro a novembro uma ocupação virtual no site e nas redes sociais do Prêmio PIPA e na plataforma Preview (da qual o crítico e curador Gabriel Pérez-Barreiro é um dos fundadores), com conteúdo exclusivo. Os cinco Artistas Selecionados mostram o quanto a produção artística brasileira é plural, misturando linguagens e saberes heterogêneos e se desenvolvendo no país como um todo.

Nesta 12a edição, apresentamos mudanças em relação ao formato dos anos anteriores. Optamos por olhar para a produção de artistas com trajetórias mais recentes, com no máximo 10 anos de carreira, e não teremos um único vencedor: os cinco Selecionados são os premiados de 2021. Os artistas escolhidos pelo Conselho do PIPA recebem, cada um, a doação de R$10 mil, para que todos sejam igualmente incentivados.

Presença física e online
O Prêmio PIPA tem uma forte atuação on­line, com sites em português e inglês que, atualizados diariamente, buscam atuar como “A janela para arte contemporânea brasileira”. Além das páginas de artistas (com fotos de trabalhos, vídeos, textos, currículo e biografia), divulgamos uma agenda cultural com exposições e eventos que reúnem artistas e críticos que já passaram pelo Prêmio. Também temos a coluna do Camillo, curador do Instituto PIPA, com textos críticos exclusivos mensais e entrevistas com artistas, e o PIPA Podcast, que já reúne cerca de 20 conversas com curadores, artistas, colecionadores e pesquisadores de arte contemporânea sobre temas como cryptoart, leilões na era digital, arte e tecnologia, entre outros. Os episódios estão disponíveis na aba “Podcast” no site do Prêmio PIPA, na página do Prêmio no YouTube e nas plataformas de streaming de áudio.
O PIPA Online 2021, que vai acontecer de 15 de agosto a 04 de setembro, continua opcional para todos participantes da edição, mantendo o voto pela internet em duas fases. Assim como nos anos anteriores, no primeiro turno será necessário votar em, no mínimo, três artistas. No segundo turno, o eleitor pode escolher apenas um entre os artistas que obtiveram mais de 500 votos na primeira fase. O PIPA Online 2021 fará uma doação de R$5.000 para os dois artistas mais votados ao final do segundo turno da votação. Esta vitrine virtual, que busca ser 100% democrática e descentralizada, é especialmente relevante para os artistas de fora do eixo Rio-São Paulo que não são representados por galerias: eles encontram na votação uma maneira de mobilizar pessoas e, desta maneira, divulgar ainda mais o seu trabalho.
A cada edição, produzimos um catálogo com estatísticas sobre o Prêmio, fotos e informações sobre todos os artistas participantes, além de obras doadas ao Instituto PIPA e registros da Exposição dos Finalistas/Vencedores. O catálogo do PIPA 2020 pode ser baixado gratuitamente no site do Prêmio.
Mais informações sobre o funcionamento do Prêmio, notícias do circuito e dados dos artistas que participaram do PIPA ao longo desses 12 anos encontram-­se nos endereços premiopipa.com e pipaprize.com.

www.premiopipa.com | www.pipaprize.com
Instagram: @premiopipa | Facebook: /PremioPIPA | Twitter: /PremioPIPA |
Youtube: Prêmio PIPA
Email: conteudo@premiopipa.com

Paço Imperial
Praça XV de Novembro, 48
Centro - Rio de Janeiro
55 21 2215 2093
 
Terça à sábado e feriados das 12h às 17h
Entrada Franca
 
A temperatura dos visitantes será aferida, o uso de máscara é obrigatório durante a permanência no Paço Imperial e o fluxo de visitantes em todos os ambientes será monitorado para garantir o distanciamento recomendado de 2 (dois metros).

Bistrô do Paço
De segunda a sexta, das 11h às 19h30
Sábados, domingos e feriados, das 12h às 19h
 
Restaurante Arlequim
De segunda a sexta, das 10h às 20h
Sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h